Ser paisagista

Sempre que postamos algo aqui no blog o fazemos na terceira pessoa. Isso porque hoje a Creare Paisagismo não é apenas o sonho de uma pessoa mas sim a soma de uma equipe de colaboradoras fantásticas que permitem que eu possa, entre outras tarefas,  estar aqui escrevendo estes posts todos.

Mas hoje vou escrever sobre algo mais pessoal e por isso me apresentarei aos leitores do blog. Sou Engenheria Agrônoma e me dedico ao paisagismo desde 1999, quando realizei meu primeiro estágio em um escritório de paisagismo de Porto Alegre. No princípio muitas pessoas ligadas a mim não entenderam porque eu estava me desviando do meu foco inicial na faculdade, a pecuária de corte e o melhoramento genético, para ser “jardineira”. Mas mesmo assim segui estudando e pesquisando mais sobre tudo o que podia envolver paisagismo.  Muitas vezes questionei sim este ramo. Quem nunca teve um cliente exigente, um fornecedor que não cumpriu com o prazo ou um executor que nem olhou todos os cortes e detalhes que demoramos tanto para fazer.

Mas a verdade é que ser paisagista é mais do que escolher mudas, é mais do que desenhar uma paginação de piso interessante. Ser paisagista, pelo menos para mim, é trazer vida à paisagem, reconhecendo a força da natureza como elemento para levar energia aos espaços e harmonizar o homem com seu entorno.

É por isso que buscar referências, lançar um novo projeto e assistir os desenhos do papel se materializarem no dia do plantio compensa todos os “leões” que acabamos tendo que lidar na rotina de trabalho.